sábado, 12 de junho de 2010

Entre dias e dores, entre amores e flores (Dia dos namorados!)


"Corto o pão e o dedo
O Sangue escorre tão vermelho
Sinto fome e sinto medo"

Um dia sentada, olhei para o retrato em branco, chorei de forma contestante, não quis saber de nada, rasquei aquelas cartas, apaguei teu nome da minha mente, deitei no chão de forma incoerente.
Sonhei com você de forma incociente!
Acordei, querendo voltar, pois sua boca queria beijar.
Seus braços no sonhos quebravam o frio, sentia tanto calor, que não imagina o que era o inverno, acordei gelada, quase morta, sua falta me doi até a alma.

"Os dias tão iguais, de cores diferentes, eu estou sorrindo sem dentes!
O um país com leis, para quem fala francês, italiano, ou é simplesmente burguês!
Um amor condenado totalmente escancarado"

Lá no final do tunel tem uma luz, e essa luz deveria ser você, só que é apenas a luz da minha tv, ando descalço e as pedras cortam o pé, ouço sons, ouço vozes, sinto que é loucura, sinto que é sonho meu amor, sinto que é amor, sinto que só tenho você

"O amor sorriu uma vez para mim, e foi com sarcasmo"

Ariane Castro

Obs: Para Amores incuráveis e coisas irreparáveis, tentamos escapar no amor, mais onde está tudo agora?...Acho que se perdeu entre as flores
O Amor pode ser uma fonte de alegria ou uma fonte de dor, cabe você viver o que é melhor, ou o que seu coração deseja, feliz dia dos namorados, ou não!

Milbeijos

Um comentário:

* Anjo Desatinado * disse...

O amor sempre dói...

Beijos